AdegaMãe Terroir 2012. Um tinto de Lisboa consagrado entre os grandes vinhos portugueses

AdegaMãe Terroir 2012. Um tinto de Lisboa consagrado entre os grandes vinhos portugueses

• O novo topo-de-gama da AdegaMãe, uma edição exclusiva de apenas 3006 garrafas que nasce da mais exigente interpretação do terroir atlântico, esteve em grande destaque nos prémios da Revista de Vinhos, conquistando a insígnia “Melhor de Portugal”.

terroir2012

O AdegaMãe Terroir 2012, o novo tinto topo-de-gama da AdegaMãe lançado no final de 2016, esteve em grande destaque nos prémios anuais da Revista de Vinhos, conquistando a insígnia “Melhor de Portugal”, integrando a “guarda de honra” dos grandes vinhos portugueses.

Com a nova marca Terroir, a AdegaMãe propõe-se desenhar vinhos inéditos, pela complexidade, pela qualidade, pelo trajecto cumprido desde a vinha à adega. São vinhos de assinatura, engarrafados a partir de colheitas excepcionais – e só em anos excepcionais serão reeditados. Este primeiro tinto lançado no mercado nasceu numa edição exclusiva de apenas 3006 garrafas, todas elas numeradas, como forma de destaque do seu carácter único.

“Tivemos uma grande colheita em 2012. Graças a um ano menos extremado do ponto de vista climático, mais equilibrado no final do ciclo, as vinhas da AdegaMãe evoluíram para uma maturação perfeita reunindo as condições essenciais para que as uvas expressassem as suas melhores características, especialmente quando o que está em causa é a procura da mais genuína interpretação deste terroir de influência atlântica”, começa por explicar o enólogo Diogo Lopes.

“Identificámos as melhores parcelas e avançámos para uma vindima manual, seleccionando os melhores cachos. Na adega, trabalhámos diferentes castas em diferentes barricas, seleccionando por vezes floresta a floresta. Depois fomos analisando a evolução e identificámos as barricas que claramente se destacavam para construir o lote deste vinho”, continua o enólogo. “Acreditamos estar perante um vinho de excepção, um tinto marcado também por uma característica pouco comum, que é a sua mineralidade. Diria que é muito marcado pelo equilíbrio. Entre acidez e concentração de álcool é um vinho sempre muito equilibrado”, conclui Diogo Lopes.

Castas: Touriga Nacional e Merlot.
Notas de prova: Muito complexo. Notas de resina, mineral e fruto preto. Vigoroso na boca, com bastante estrutura. Taninos maduros e intensos. Bem casado com madeira. Final persistente, longevo.
Preço recomendado: 39 euros

Sobre a AdegaMãe
A AdegaMãe nasce do investimento do Grupo Riberalves numa nova área de negócio e surge como uma homenagem da família Alves à sua matriarca, Manuela Alves. O conceito de “Mãe” é a inspiração para um espaço de nascimento, de criação, no qual se pretende potenciar as melhores uvas e fazer nascer os melhores vinhos. Localizada no Concelho de Torres e vocacionada para a produção de vinhos com características muito próprias, graças à proximidade do mar e influência do Clima Atlântico, a AdegaMãe é, igualmente, uma referência para o enoturismo da Região de Lisboa, destacando-se pela arquitectura exclusiva e por todas as actividades desenvolvidas em torno da vinha e do vinho. Sendo uma empresa do Grupo Riberalves, a marca Dory (inspirada nos Dóris, embarcações antigamente utilizadas pelos portugueses na pesca do bacalhau) representa a principal gama de vinhos comercializados. Depois da primeira vindima, realizada em 2010, a AdegaMãe tem vindo a colher reconhecimento no mercado nacional e internacional, para onde canaliza 60% da sua produção. Em 2015 a AdegaMãe foi eleita Empresa do Ano no Sector do vinho em Portugal, nos prémios atribuídos pela Revista de Vinhos.



Para avançar deverá ter idade legal para consumir bebidas alcoólicas no país em que se encontra