Tiago Velez. A cozinha de amor, genuína, em plena AdegaMãe

Tiago Velez

Tiago Velez. A cozinha de amor, genuína, em plena AdegaMãe

O desabafo é imediato: “Não podia dizer não ao desafio da família fundadora do Grupo Riberalves, para assumir o lançamento de um novo restaurante em plena AdegaMãe”.

 

Tiago Velez é o chef  do novo restaurante que AdegaMãe se prepara para lançar ainda em 2020. O desafio passará naturalmente por evocar o símbolo maior da Gastronomia nacional, o bacalhau. Mas vai muito mais longe do que isso. Entre peixes, carnes e produtos de época, Tiago Velez propõe-se a uma cozinha de amor, simples e genuína, muitas vezes de chama, fogo, sempre em harmonização com os icónicos vinhos locais, de influência atlântica.

 

Tiago Velez nasceu em Lisboa, mas foi a mudança para o Entroncamento que lhe definiu o destino. Cresceu com os ensinamentos dos pais, devotos da cozinha ribatejana e alentejana, sempre aconchegado, também, pela sopa de couve com feijão que a avó, queijeira, colocava no fogo.

 

Quando ainda não sabia ler, pedia ao irmão mais velho que lhe explicasse as receitas para os bolos com que surpreendia a mãe, na chegada do trabalho. Foi com naturalidade, portanto, que Tiago Velez acabou por formar-se Cozinheiro, em 2006, na Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril, somando as bases que lhe permitiram continuar a desenvolver a sua paixão: a cozinha como um veículo de amor, em viagens que honram a memória, a identidade, o produto e os sabores de raiz tradicional.

 

Em 2008, numa experiência tão valiosa quanto inesperada, Tiago Velez assumiu-se como Chef no Choupana Gordinni (São João do Estoril). Integrou também operações de grande logística, na área do catering (Missão da Presidência Portuguesa da União Europeia).

 

Em 2014 juntou-se a Ljubomir Stanisic, no Bistro 100 Maneiras, para preparar a abertura do projeto Omali São Tomé. A feliz deriva africana, de vivências, aromas e especiarias, também por Cabo Verde e Moçambique, entre outros, deu-lhe inspiração e novas possibilidades para as suas interpretações.

 

Regressaria a Portugal em 2017, como Head Chef do Grupo Sem Espinhas, para uma incursão quase exclusiva no peixe, elemento crucial, incontornável nas suas cartas. Que aliás voltou a projetar, já em 2019, no lisboeta Jaquinzinho.

 

Agora, em 2020, “não podia dizer não” ao desafio AdegaMãe, onde prepara a abertura do novo restaurante, colocando já a sua inspiração ao serviço do enoturismo. À espera da sua visita!